Archive Page 2

O Manual da Buzina Carioca

Já perdi a conta de quantas vezes amigos e parentes de fora da cidade comentaram comigo o quanto carioca gosta de buzina. A verdade é que o carioca dirige com uma mão na buzina e a outra pendurada do lado de fora.

O carioca adora a buzina. É uma forma de expressão. Um belo instrumento musical de uma nota só. E há muito que faz parte da trilha sonora do nosso dia a dia. A vitória do time é celebrada ao som de várias buzinadas — longe da casa do buzinador, claro. Quem tem boa memória lembra do som da buzina daquele Fusca 77 no qual deu o primeiro beijo… E quem nunca teve uma cena romântica interrompida por uma boa buzinada?

A buzina em si é um serviço público que garante que o trânsito flua mesmo em regiões complicadas. Mais ou menos como o berrante de um tocador de gado. Por exemplo, se não fosse pela buzina, todos os dias dezenas de motoristas morreriam de inanição parados no sinal por não perceber que ele abriu.

Mas mesmo os cariocas nascidos e criados, dirigindo o carro do pai desde os 14 anos, muitas vezes têm problemas para entender o que o companheiro sangue-bom está tentando dizer com tanto escândalo.

Assim, compilei alguns dos principais ‘verbetes buzinais’ comuns do nosso dia a dia, servindo de guia para os visitantes e auxílio para os locais.

(E se tudo der certo vou conseguir um lobby para colocá-lo na bibliografia para a prova do Detran.)

Seguem:

1 toque forte = Seu fdp!
2 toques fortes = É você, seu palhaço!
3 toques fortes = Vai tomar no c*! (ou Vai-te à m).

3 toques curtos e cadenciados = O sinal vai abrir…
1 toque forte e longo = O sinal abriu há 0,2 segundos, pô! Eu avisei!

2 toques leves seguidos de assovio = Deusa maravilhosa, tamos aí!

1 toque breve e 1 longo = Já tô aqui embaixo, desce pô! (poupa-celular).

1 toque breve seguido de 2 longos = Não me fecha, táxi de m.
1 toque breve seguido de 3 longos = Não me fecha, caminhão de m.
1 toque breve seguido de 4 longos = Não me fecha, ônibus de m.

1 toque forte quase infinito (sujeito a efeito Doppler) = Sai da rua, fdp!

7 toques breves ritmados (pâ–pa-pa-pa-pam—pã-pã) = Ninguém atravesse a rua ou abra a porta do carro porque eu estou passando nessa rua estreita (se a rua for longa, repetido infinitamente tal qual uma sirene).

De 2 a 3 toques fortes curtos = Oi, Tchau ou Obrigado (vai saber, serve pra tudo e ninguém entende mesmo).

De 10 a 15 toques fortes curtos = Fulano! Fala aí! Sou eu! Aqui no carro! Não tá vendo pô? Aquiii! Oi! (o que em geral causa constrangimento no alvo da buzinada, que tenta desesperadamente fingir que não é com ele).

39 toques breves e fortes = Kombi ou van avançando o sinal pra cima dos pedestres.

Bom, estes são os principais para carros. Obviamente, é impossível falar de buzina sem falar em motos. Ela é simplesmente seu componente mais importante. Você pode dirigir sem capacete (só serve de máscara pra assaltante mesmo), com a perna engessada, falando ao celular ou passando mensagem de texto. Mas sem buzina não dá.

Seguem então os principais ‘verbetes moto-buzínicos’:

12 toques breves por segundo = moto passando entre carros.
12 toques breves por segundo = moto entrando no túnel.
12 toques breves por segundo = moto saindo do túnel.
12 toques breves por segundo = moto entrando na garagem.
12 toques breves por segundo = moto saindo da garagem.
12 toques breves por segundo = moto na contra-mão.
12 toques breves por segundo = moto andando na calçada.
12 toques breves por segundo = moto avançando sinal.
12 toques breves por segundo = moto fazendo conversão proibida.
12 toques breves por segundo = moto reclamando de fechada.
12 toques breves por segundo = moto com 3 pedindo prioridade.
12 toques breves por segundo = moto.

Bom é isso. Espero que este manual ajude você a entender o que os pacatos cidadãos cariocas que se transformam em feras assassinas por estarem conduzindo um veículo auto motor querem dizer pouco antes de passar por cima de você.

Ou talvez, quem sabe sirva de inspiração para alguém fundar uma ONG contra a poluição sonora, pela regulamentarização das buzinas, sei lá…

O Manual da Buzina Carioca

Já perdi a conta de quantas vezes amigos e parentes de fora da cidade comentaram comigo o quanto carioca gosta de buzina. A verdade é que o carioca dirige com uma mão na buzina e a outra pendurada do lado de fora.

O carioca adora a buzina. É uma forma de expressão. Um belo instrumento musical de uma nota só. E há muito que faz parte da trilha sonora do nosso dia a dia. A vitória do time é celebrada ao som de várias buzinadas — longe da casa do buzinador, claro. Quem tem boa memória lembra do som da buzina daquele Fusca 77 no qual deu o primeiro beijo… E quem nunca teve uma cena romântica interrompida por uma boa buzinada?

A buzina em si é um serviço público que garante que o trânsito flua mesmo em regiões complicadas. Mais ou menos como o berrante de um tocador de gado. Por exemplo, se não fosse pela buzina, todos os dias dezenas de motoristas morreriam de inanição parados no sinal por não perceber que ele abriu.

Mas mesmo os cariocas nascidos e criados, dirigindo o carro do pai desde os 14 anos, muitas vezes têm problemas para entender o que o companheiro sangue-bom está tentando dizer com tanto escândalo.

Assim, compilei alguns dos principais ‘verbetes buzinais’ comuns do nosso dia a dia, servindo de guia para os visitantes e auxílio para os locais.

(E se tudo der certo vou conseguir um lobby para colocá-lo na bibliografia para a prova do Detran.)

Seguem:

1 toque forte = Seu fdp!
2 toques fortes = É você, seu palhaço!
3 toques fortes = Vai tomar no c*! (ou Vai-te à m).

3 toques curtos e cadenciados = O sinal vai abrir…
1 toque forte e longo = O sinal abriu há 0,2 segundos, pô! Eu avisei!

2 toques leves seguidos de assovio = Deusa maravilhosa, tamos aí!

1 toque breve e 1 longo = Já tô aqui embaixo, desce pô! (poupa-celular).

1 toque breve seguido de 2 longos = Não me fecha, táxi de m.
1 toque breve seguido de 3 longos = Não me fecha, caminhão de m.
1 toque breve seguido de 4 longos = Não me fecha, ônibus de m.

1 toque forte quase infinito (sujeito a efeito Doppler) = Sai da rua, fdp!

7 toques breves ritmados (pâ–pa-pa-pa-pam—pã-pã) = Ninguém atravesse a rua ou abra a porta do carro porque eu estou passando nessa rua estreita (se a rua for longa, repetido infinitamente tal qual uma sirene).

De 2 a 3 toques fortes curtos = Oi, Tchau ou Obrigado (vai saber, serve pra tudo e ninguém entende mesmo).

De 10 a 15 toques fortes curtos = Fulano! Fala aí! Sou eu! Aqui no carro! Não tá vendo pô? Aquiii! Oi! (o que em geral causa constrangimento no alvo da buzinada, que tenta desesperadamente fingir que não é com ele).

39 toques breves e fortes = Kombi ou van avançando o sinal pra cima dos pedestres.

Bom, estes são os principais para carros. Obviamente, é impossível falar de buzina sem falar em motos. Ela é simplesmente seu componente mais importante. Você pode dirigir sem capacete (só serve de máscara pra assaltante mesmo), com a perna engessada, falando ao celular ou passando mensagem de texto. Mas sem buzina não dá.

Seguem então os principais ‘verbetes moto-buzínicos’:

12 toques breves por segundo = moto passando entre carros.
12 toques breves por segundo = moto entrando no túnel.
12 toques breves por segundo = moto saindo do túnel.
12 toques breves por segundo = moto entrando na garagem.
12 toques breves por segundo = moto saindo da garagem.
12 toques breves por segundo = moto na contra-mão.
12 toques breves por segundo = moto andando na calçada.
12 toques breves por segundo = moto avançando sinal.
12 toques breves por segundo = moto fazendo conversão proibida.
12 toques breves por segundo = moto reclamando de fechada.
12 toques breves por segundo = moto com 3 pedindo prioridade.
12 toques breves por segundo = moto.

Bom é isso. Espero que este manual ajude você a entender o que os pacatos cidadãos cariocas que se transformam em feras assassinas por estarem conduzindo um veículo auto motor querem dizer pouco antes de passar por cima de você.

Ou talvez, quem sabe sirva de inspiração para alguém fundar uma ONG contra a poluição sonora, pela regulamentarização das buzinas, sei lá…

Eis porque você recebe emails indesejáveis

Na luta por audiência a televisão aberta virou um esgoto a céu aberto. O mesmo pode valer pra Internet, claro.

O serviço ao qual o Yahoo! Respostas se propõe a fornecer é excelente. Porém, sem o bom senso por parte dos usuários e sem a moderação por parte da empresa, acaba por se tornar reduto de toda espécie de piratas, spammers, e sabe lá que outros seres mal intencionados.

Um exemplo: numa das perguntas, o cidadão quer uma dica de programa para envio de “emails em massa”. Alguém responde insinuando que spam é crime. O cidadão se sente ofendido e responde via email. Tive acesso a tal email, que segue abaixo:

De: http://www.hipermercad***

Assunto: Enviar emails

Mensagem: quem te falou que spam é crime, pode ser crime fora do Brasil, mais aqui não tem nenhuma lei especifica referente a envio de e-mails, e quem inventou a palavra SPAM, vc é daqueles que acredita em tudo que te falam ou que passa na tv, SPAM nada mais é do que uma maneira de mandar mensagens e propagandas sem pagar comissão para os PROVEDORES, dai eles tentam plantar na cabeça das pessoas esta história de crime, crime é os milhões que os Pilantras roubam do povo, e de vc também

Copyright © 2007 Yahoo! do Brasil Internet Ltda. Todos os direitos reservados. Termos do Serviço.

Realmente, spam não é crime no Brasil infelizmente, o cidadão está muito bem assessorado. Mas ele vai além e acha que o spam é como o arco e flecha do Robin Hood, ajudando os pobres e seu handicap. E como todo bom brasileiro, dá um jeito de culpar alguém pelos seus próprios erros.

Fui informado que tal email foi encaminhado pro Yahoo! Brasil que nunca se pronunciou (pelo menos não até hoje).

Então, quando você receber o spam de http://www.hipermercad***, já sabe o porquê. Foi um ato pelo bem dos pobres, contra a Aristocracia. Certo.

Domingo no Rio

No Domingo do segundo turno, voltando da casa do meu pai, num acesso à Linha Amarela, escapei por pouco de um assalto.

Um carro na minha frente estava meio lento, na esquerda, eu achei meio estranho e reduzi. De repente ele vira e fecha a rua, abre as portas e os caras vão saindo com os fuzis na mão. Eu virei e acelerei, cortando pela esquerda. Um deles chegou a atirar meio atrapalhado e errou (provavelmente atirou no chão).

Tive impressão de ver o carro deles pelo retrovisor, me seguindo. Fugi a toda desviando dos outros, alheios à minha situação. No acesso à Perimetral senti que um pneu estava furado mas não parei… Descendo pra pegar a Francisco Bicalho o carro quase derrapou, então resolvi parar (antes que sofresse um acidente).

O pneu estava todo acabado e a roda cheia de dente. Procurei mas não vi buraco de bala.

Tudo em que conseguia pensar era o que poderia ter acontecido se minha esposa e meu filho estivessem no carro. Teria tido a mesma reação? A mesma sorte?

Estive perto de levar um tiro, e não era bala perdida. A bala era pra mim. E ainda ia ser o culpado, por tentar fugir.

É como dizem, os incomodados que se mudem.

Domingo no Rio

No Domingo do segundo turno, voltando da casa do meu pai, num acesso à Linha Amarela, escapei por pouco de um assalto.

Um carro na minha frente estava meio lento, na esquerda, eu achei meio estranho e reduzi. De repente ele vira e fecha a rua, abre as portas e os caras vão saindo com os fuzis na mão. Eu virei e acelerei, cortando pela esquerda. Um deles chegou a atirar meio atrapalhado e errou (provavelmente atirou no chão).

Tive impressão de ver o carro deles pelo retrovisor, me seguindo. Fugi a toda desviando dos outros, alheios à minha situação. No acesso à Perimetral senti que um pneu estava furado mas não parei… Descendo pra pegar a Francisco Bicalho o carro quase derrapou, então resolvi parar (antes que sofresse um acidente).

O pneu estava todo acabado e a roda cheia de dente. Procurei mas não vi buraco de bala.

Tudo em que conseguia pensar era o que poderia ter acontecido se minha esposa e meu filho estivessem no carro. Teria tido a mesma reação? A mesma sorte?

Estive perto de levar um tiro, e não era bala perdida. A bala era pra mim. E ainda ia ser o culpado, por tentar fugir.

É como dizem, os incomodados que se mudem.

Você é um Lindemberg, uma Eloá ou uma Nayara

Faça aqui o teste de personalidade e descubra quem você é nessa história toda: Lindemberg, Eloá ou Nayara?

A cada afirmação, responda com uma das opções de 1 a 4. Vamos a elas:

A) Sou uma pessoa passional e determinada.
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

B) Meus amigos me querem muito bem.
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

C) Me importo muito com o bem estar dos outros.
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

D) Se pudesse, ajudaria a construir um mundo melhor (mas não posso).
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

E) Crime é uma coisa ruim, a vida deveria ser pacífica.
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

F) Os outros sempre cometem erros, por que eles não podem ser como eu?
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

G) Meu teletubie preferido era o lilás.
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

Para cada pergunta some o número da resposta escolhida. Por exemplo, se você marcou a opção 2 para as 7 perguntas, você fez 2 x 7 = 14 pontos.

Vamos ao gabarito:

0 a 6 pontos – Você consegue entender o conceito de escolher uma resposta? Provavelmente você é uma Nayara que voltaria ao cativeiro de livre vontade para ajudar de alguma forma misteriosa.

7 a 13 pontos – Você concorda demais com tudo. Você perdoaria até Hitler. Você é a mãe de Eloá.

14 a 20 pontos – Você é inseguro e indecidido. Definitivamente você não é Lindemberg.

21 ou mais pontos – Você discorda do razoável mas entende que o mundo é como ele é. Conhece as regras e sabe jogar com elas. Você é frio e calculista. Você comete poucos erros e tem o controle da situação. Parabéns, você é o GATE!

Agora uma pausa para nossos reclames:

Lançamento dvd 100 Horas, com a íntegra do Sequestro do ABC e extras com os melhores momentos comentados por especialistas em sequestros passionais. Os 100 primeiros compradores vão participar ao vivo da reconstituição do crime.

Quer interpretar a Nayara na nova minisérie Santo André? Aguarde!

Você é um Lindemberg, uma Eloá ou uma Nayara

Faça aqui o teste de personalidade e descubra quem você é nessa história toda: Lindemberg, Eloá ou Nayara?

A cada afirmação, responda com uma das opções de 1 a 4. Vamos a elas:

A) Sou uma pessoa passional e determinada.
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

B) Meus amigos me querem muito bem.
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

C) Me importo muito com o bem estar dos outros.
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

D) Se pudesse, ajudaria a construir um mundo melhor (mas não posso).
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

E) Crime é uma coisa ruim, a vida deveria ser pacífica.
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

F) Os outros sempre cometem erros, por que eles não podem ser como eu?
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

G) Meu teletubie preferido era o lilás.
1 – concordo plenamente
2 – concordo parcialmente
3 – discordo parcialmente
4 – discordo totalmente

Para cada pergunta some o número da resposta escolhida. Por exemplo, se você marcou a opção 2 para as 7 perguntas, você fez 2 x 7 = 14 pontos.

Vamos ao gabarito:

0 a 6 pontos – Você consegue entender o conceito de escolher uma resposta? Provavelmente você é uma Nayara que voltaria ao cativeiro de livre vontade para ajudar de alguma forma misteriosa.

7 a 13 pontos – Você concorda demais com tudo. Você perdoaria até Hitler. Você é a mãe de Eloá.

14 a 20 pontos – Você é inseguro e indecidido. Definitivamente você não é Lindemberg.

21 ou mais pontos – Você discorda do razoável mas entende que o mundo é como ele é. Conhece as regras e sabe jogar com elas. Você é frio e calculista. Você comete poucos erros e tem o controle da situação. Parabéns, você é o GATE!

Agora uma pausa para nossos reclames:

Lançamento dvd 100 Horas, com a íntegra do Sequestro do ABC e extras com os melhores momentos comentados por especialistas em sequestros passionais. Os 100 primeiros compradores vão participar ao vivo da reconstituição do crime.

Quer interpretar a Nayara na nova minisérie Santo André? Aguarde!


Humor, crítica, crônica, comédia e sátira sobre o Rio de Janeiro, o Brasil e o Mundo | Defendendo o humor inteligente do Capitalismo e do Aquecimento Global, antes que se torne brinde de pasta de dentes

Este site é um espelho*. Acesse o site principal do Mamendes Express em:

http://www.mamendex.com

* Para que serve um site espelho? Para testar novos formatos, atingir maior audiência e, claro, disputar meu pouco tempo disponível.

Receba o Mamendex

Se você quer ser avisado sempre que um novo texto for publicado, você pode assinar a Newsletter do Mamendes Express. Basta optar por um dos sabores abaixo:

Mamendex no Google Groups
Mamendex

Grupo no Google

my del.icio.us

Blog Stats

  • 4,295 hits

cc -Some rights